EU.ropa

Que Europa preferimos? Uma Europa aberta ao mundo e virada para o Atlântico, onde o Reino Unido é indispensável para equilibrar a centralidade da potência continental e a própria relação entre a Alemanha e a França. As alianças obrigam-nos a olhar com frieza para os nossos parceiros. Basta lembrar alguns factos. O antigo primeiro-ministro espanhol José Luis Zapatero provou, logo no início da crise da dívida, a sua “solidariedade” socialista e ibérica, cancelando as cimeiras previstas com um país alvo de resgate. “A Espanha não é Portugal”. Mas Portugal fez exactamente o mesmo à Grécia nas negociações do terceiro resgate. “Portugal não é a Grécia”. A Irlanda também já disse que não era Portugal ou a Grécia. Temos também de equacionar a nossa relação com a Alemanha, o país cada vez mais hegemónico, num quadro em que a nossa valorização europeia passa pelo Atlântico e o que interessa aos alemães é o espaço dos seus vizinhos de Centro e de Leste e, no médio prazo, a Rússia. Também esta frente se exige flexibilidade e lucidez.

Teresa de Sousa, in Público em Abril, 10 de 2016

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s